Bem-vindo à página ARQUIVO 2006-2016 da Presidência da República Portuguesa

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Visita ao Centro de Formação  da Escola da Guarda (GNR)
Visita ao Centro de Formação da Escola da Guarda (GNR)
Portalegre, 11 de fevereiro de 2016 ler mais: Visita ao Centro de Formação  da Escola da Guarda (GNR)

“Pensar Global e Agir Global”
- artigo do Presidente da República publicado no Diário Económico e Expansión, em 10 de Novembro de 2006 Clique aqui para diminuir o tamanho do texto|Clique aqui para aumentar o tamanho do texto

Reúne-se hoje, em Sintra, o Conselho para a Globalização, criado sob o meu patrocínio no âmbito da COTEC-Portugal. Cerca de duas dezenas de líderes de empresas mundiais, provenientes de doze países - da Europa, de África, da América do Norte e do Sul, do Médio Oriente e da Ásia -, em conjunto com outros tantos representantes de empresas portuguesas com ambição global, irão debater os desafios da globalização. Participa também na reunião o Presidente da Comissão Europeia, Dr. Durão Barroso.

Num mundo em mudança acelerada, em que as economias estão cada vez mais integradas e o conhecimento é o factor chave do sucesso, é do maior interesse reflectir sobre a forma de promover uma globalização que abra espaço à participação de todos os países, ou seja, uma globalização plural. É este o tema desta primeira reunião do Conselho para a Globalização.

Hoje, as empresas podem criar vantagens competitivas através da integração de competências, capacidades e conhecimentos de mercado dispersos pelo mundo fora. Seguindo um modelo globalmente integrado, as diversas componentes da actividade das empresas podem ser desempenhadas a partir de qualquer ponto do mundo. É o que se chama a vantagem metanacional.

Mas numa economia do conhecimento, a globalização não tem que significar uniformização e estandardização, pela imposição de um parâmetro único. O mundo está longe de ser plano e as empresas podem ganhar vantagem no mercado global, aproveitando as diferenças entre países.

A globalização deve ser plural, facilitando o trabalho em conjunto, numa lógica de interdependência e num jogo de complementaridades e de concorrência justa, por forma a que o vencedor do processo seja a humanidade como um todo.

A globalização que faz sentido significa participação e não dominação.

Portugal tem especial legitimidade para promover o debate sobre a globalização plural, porque a sua expansão universalista foi mais de adaptação do que de imposição, mais de integração do que de uniformização.

Nos dias de hoje, o desafio para as empresas é Pensar Global e Agir Global. Por outras palavras: fornecer produtos e serviços globais, concebidos por talentos globais, baseados em conhecimentos globais, para mercados globais.

A globalização significa a crescente mobilidade de bens, serviços, trabalho, ideias, tecnologia e capital à escala planetária. Apesar de não ser um fenómeno novo, a globalização intensificou-se pela conjugação de um conjunto de factores. Por um lado, a redução das barreiras que condicionavam o comércio e o investimento internacionais, as transformações económicas iniciadas pela China no final da década de 70, a dissolução do bloco de leste no fim dos anos 80, as reformas económicas realizadas na Índia democrática nos anos 90.

A estes factores acresce, por outro lado, a revolução tecnológica da informação e das comunicações, que veio reduzir vertiginosamente os custos de produzir, processar e transportar informação. O mundo passou a estar dotado de infra-estruturas de comunicação planetárias, acessíveis a qualquer cidadão, a qualquer hora, em qualquer lugar. A localização geográfica da empresa deixou de ser determinante.

O sucesso da globalização significa expandir a todos os benefícios da revolução da informação e das telecomunicações, dado o seu potencial de melhoria em sectores como a educação e a saúde, os serviços públicos, as empresas e os “media” e no acesso à informação e ao conhecimento.

Nos países emergentes, a abertura dos mercados e o investimento estrangeiro têm vindo a retirar milhões de pessoas da pobreza, abrindo janelas de esperança e criando novos horizontes de bem-estar. A globalização reduziu a pobreza, mas exige políticas que corrijam os fenómenos da marginalização e do desemprego e apostem na equidade e na inclusão, mesmo nos países mais desenvolvidos.

O grande desafio que Portugal enfrenta é o da competitividade à escala global. Importa que as empresas portuguesas estejam conscientes da envolvente da concorrência à escala mundial em que actualmente se posiciona a economia portuguesa e aproveitem decididamente as oportunidades que essa nova realidade proporciona. Estou convencido de que a necessidade de Pensar Global e Agir Global deve hoje inspirar tanto a postura estratégica das empresas portuguesas, como o quadro de referências dos nossos agentes políticos, investidores, parceiros sociais e Administração Pública. Caso contrário, arriscamo-nos a ficar para trás.

Foi nesta perspectiva que propus a criação de um Conselho para a Globalização, integrado por personalidades e líderes empresariais nacionais e estrangeiros com conhecimento e experiência da economia mundial. O objectivo é contribuir para uma melhor compreensão do fenómeno da globalização e das suas múltiplas implicações, criar na sociedade portuguesa o sentido de urgência para as mudanças necessárias ao sucesso no mundo globalizado e mobilizar energias para a construção de um patamar mais elevado de competitividade; e, ainda, favorecer o estabelecimento de laços entre líderes de empresas internacionais e de empresas portuguesas, dando, em simultâneo, maior visibilidade económica a Portugal.

O Conselho para a Globalização constitui uma oportunidade para melhor conhecermos e compreendermos a realidade do que se passa num mundo em que a economia global está a mudar a ritmo sem precedentes, beneficiando da reflexão e experiência de líderes de organizações empresariais que actuam à escala mundial e com os quais os empresários portugueses podem estreitar ligações e estabelecer redes de contacto. É uma oportunidade a que nenhum de nós, e, por certo, o Presidente da República poderá ficar indiferente.


Aníbal Cavaco Silva

© Presidência da República Portuguesa - ARQUIVO - Aníbal Cavaco Silva - 2006-2016

Acedeu ao arquivo da Página Oficial da Presidência da República entre 9 de março de 2006 e 9 de março de 2016.

Os conteúdos aqui disponíveis foram colocados na página durante aquele período de 10 anos, correspondente aos dois mandatos do Presidente da República Aníbal Cavaco Silva.