Bem-vindo à página ARQUIVO 2006-2016 da Presidência da República Portuguesa

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
30.º aniversário da adesão de Portugal às Comunidades Europeias
30.º aniversário da adesão de Portugal às Comunidades Europeias
Lisboa, 8 de janeiro de 2016 ler mais: 30.º aniversário da adesão de Portugal às Comunidades Europeias

INTERVENÇÕES

Clique aqui para diminuir o tamanho do texto| Clique aqui para aumentar o tamanho do texto
Discurso do Presidente da República na Sessão de Encerramento do Roteiro para uma Economia Dinâmica
Vale de Cambra, 17 de dezembro de 2015

Encerro aqui, em Vale de Cambra, a 8ª Jornada do Roteiro para uma Economia Dinâmica, uma iniciativa que, ao longo de quase dois anos, me permitiu contactar de perto com múltiplos setores da economia portuguesa.

Propus-me dar visibilidade, com este Roteiro, o mais longo dos meus mandatos, a exemplos de inegável sucesso empresarial, muitos deles, creio, desconhecidos da maioria dos portugueses. Empresas essencialmente exportadoras, dotadas de forte dinamismo, de ambição e de capacidade de inovar e competir.

Em tempos difíceis, as cerca de três dezenas de empresas que visitei contribuíram, com engenho e esforço, para reforçar o perfil exportador da economia portuguesa. Recusando lamentações estéreis, os empresários portugueses foram capazes de encontrar novos caminhos para se afirmarem em mercados exigentes, dando corpo a uma das mais notáveis transformações da economia portuguesa nos últimos anos.

Pude constatar, ao longo destas oito jornadas, como a indústria transformadora portuguesa, outrora condenada por muitos ao declínio – se não ao desaparecimento – operou nas últimas décadas uma pequena revolução. Longe de perder os seus setores mais tradicionais de atividade, como sejam o calçado, o têxtil e vestuário, o mobiliário e as pedras ornamentais, cuja modernização e adaptação às novas realidades de mercado é inegável, a indústria portuguesa renasceu e atravessa um momento de intensa renovação.

Anteriormente tidas como atividades de mão-de-obra barata, baixa intensidade tecnológica e reduzido valor acrescentado, estes setores são hoje espelho de capital humano qualificado e fontes de inovação tecnológica, apostando na elevada qualidade e na diferenciação dos seus produtos e serviços.

Graças a uma aprendizagem disciplinada e ao foco colocado em nichos de mercado, muitas destas empresas atingiram níveis de especialização que lhes permitem competir com gigantes multinacionais.

Visitei, ao longo deste Roteiro, empresas protagonistas de sucesso em nichos globais, como os abrasivos para repintura automóvel, os acessórios para veículos de duas rodas, os fármacos especializados, a Engenharia de automação industrial e as máquinas ferramentas para corte. Em todas estas áreas, são técnicos portugueses, engenheiros portugueses, gestores portugueses que tornam diariamente possível competir ao mais alto nível nos mercados mais exigentes.

A inovação e a qualidade são, para estas empresas, hábitos de todos os dias, presentes em toda a organização, em todos os aspetos do negócio. A preparação e a integração das pessoas no ambiente de trabalho tornam-se, por conseguinte, componentes essenciais, e a formação profissional, tema a que dediquei uma etapa deste Roteiro, uma prioridade constante.

Como tive ocasião de constatar, nem os sobrecustos inerentes a uma zona ultraperiférica como é a região autónoma da Madeira se revelam impedimento para criar negócios líderes em software de gestão para PMEs, produtos de panificação de elevada qualidade, vinhos que são apreciados em todo o Mundo, ou a aquacultura de espécies muito apreciadas.

A raiz familiar de muitas destas empresas permite criar uma relação particularmente harmoniosa entre patrões e empregados, uma cooperação que resulta em benefícios mútuos nos bons momentos e nos mais difíceis.

Se é certo que as empresas de sucesso que visitei representam importantes motores de progresso económico e social, é também verdade que são ainda em número insuficiente face ao que o nosso tecido produtivo necessita para gerar um crescimento robusto e sustentável.

Aos poderes políticos compete criar condições de estabilidade e de confiança para que empresários competentes possam tomar decisões de investimento e apostar em novos empreendimentos, criando assim mais emprego e mais riqueza.

É necessário continuar a apoiar as PMEs exportadoras, inovadoras e competitivas, bem como as empresas que, já não sendo PMEs em virtude do seu ciclo de crescimento, não são menos exportadoras, inovadoras ou competitivas mas continuam a enfrentar muitos obstáculos à sua atividade.

Compete, no mínimo, não dificultar o que já é em si mesmo uma tarefa heróica, como já afirmei anteriormente, a propósito do trabalho dos empresários deste país e da sua contribuição para a recuperação económica dos últimos anos.

Senhoras e Senhores,

Esta última jornada foi dedicada, aqui, no distrito de Aveiro, à Cerâmica e à Metalurgia e à Metalomecânica, dois setores muito expostos à concorrência e responsáveis, também eles, por um importante contributo para o valor acrescentado da nossa indústria, para as exportações, para o crescimento e para o emprego.

A maioria das empresas destes setores atravessou extremas dificuldades ao longo das últimas décadas. Muitas delas não sobreviveram à concorrência global e à aceleração tecnológica. Mas muitas outras, graças ao engenho, à tenacidade e à determinação dos seus empresários e trabalhadores, têm sido capazes de se reinventar, de investir em novas ideias, de ultrapassar as dificuldades, e de manter ou mesmo de reforçar o emprego.

Sem estas empresas e o seu contributo, o desemprego seria um problema muito mais grave, o desenvolvimento de muitas regiões do país estaria em causa e o país seria certamente mais pobre e menos coeso. Apesar da sua presença global, persistem em manter o seu núcleo de gestão nas localidades onde nasceram e se desenvolveram, em criar emprego local de qualidade, em partilhar os frutos do sucesso com os colaboradores e em pagar impostos no País.

Nesta cerimónia de encerramento do Roteiro Economia Dinâmica, considero justo e oportuno reconhecer o esforço invulgar destes empresários.

Foi graças a eles que Portugal conseguiu recuperar de uma situação de grande fragilidade e abrir novas perspetivas e possibilidade para o futuro. São eles o símbolo de uma das mais poderosas forças de transformação da sociedade e de criação de bem-estar, para além do contributo que trazem para o desenvolvimento da economia portuguesa e para a projeção internacional do País.

Dinamismo significa energia e movimento, renovação e vitalidade. É esse justamente o traço daqueles que não se conformam com as suas circunstâncias, daqueles que, assumindo embora riscos, procuram tirar partido das oportunidades que detetam. Foi este espírito que encontrei em todos os empresários que conheci ao longo deste Roteiro.

Tomei, por isso, a decisão de hoje aqui distinguir personalidades que se destacaram por mérito próprio, e que corporizam o traçado de uma economia dinâmica. Através deles, presto a minha homenagem a todos os empresários portugueses.

Obrigado.

© Presidência da República Portuguesa - ARQUIVO - Aníbal Cavaco Silva - 2006-2016

Acedeu ao arquivo da Página Oficial da Presidência da República entre 9 de março de 2006 e 9 de março de 2016.

Os conteúdos aqui disponíveis foram colocados na página durante aquele período de 10 anos, correspondente aos dois mandatos do Presidente da República Aníbal Cavaco Silva.