Bem-vindo à página ARQUIVO 2006-2016 da Presidência da República Portuguesa

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Assembleia Geral das Nações Unidas
Assembleia Geral das Nações Unidas
Nova Iorque, EUA, 28 de setembro de 2015 ler mais: Assembleia Geral das Nações Unidas

INTERVENÇÕES

Clique aqui para diminuir o tamanho do texto| Clique aqui para aumentar o tamanho do texto
Comunicação do Presidente da República a propósito das Eleições Legislativas
Palácio de Belém, 3 de outubro de 2015

Boa noite,

Amanhã, os Portugueses irão ser chamados a eleger os deputados à Assembleia da República.

Trata-se de uma escolha determinante para o nosso futuro – e para o futuro dos nossos filhos.

Das eleições para a Assembleia da República dependerá a formação do novo Governo. Não são admissíveis soluções governativas construídas à margem do Parlamento, dos resultados eleitorais e das forças partidárias.

As eleições de amanhã realizam-se numa altura crucial para o País. Como disse aos Portugueses, quando marquei o dia das eleições, todos os atos eleitorais são importantes, mas este ato eleitoral é particularmente importante para o futuro de Portugal.

Temos à nossa frente desafios muito complexos, que exigem de todos um grande sentido de responsabilidade.

Após a campanha eleitoral, que de um modo geral decorreu com serenidade, os Portugueses encontram-se mais informados e esclarecidos sobre as propostas das diversas forças políticas.

Por isso, amanhã, devem exercer um direito que só existe porque vivemos numa democracia.

Muitos povos do mundo gostariam de escolher o seu destino através do direito de voto. Os Portugueses têm esse direito, vivem numa democracia estável e consolidada, semelhante às dos nossos parceiros da União Europeia.

Até por isso, todos devem estar conscientes de que o seu voto é uma afirmação de liberdade, um instrumento a que não devem renunciar.

O exercício do voto é também um contributo para o reforço da nossa democracia e para o prestígio de Portugal no mundo.

A abstenção não é solução. Abster-se de votar é desistir do presente e abdicar do futuro. Quem opta pela abstenção, prescinde de ter uma voz ativa e de participar na construção de um Portugal mais desenvolvido e mais justo.

Apelo aos Portugueses para que, esta noite, organizem as atividades que pensam realizar amanhã e reservem um espaço para o exercício do seu direito de voto.

Entre afazeres profissionais, compromissos familiares, assistir a jogos de futebol ou outras atividades desportivas e de lazer, não deixem de incluir a deslocação à secção de voto, entre as 8 da manhã e as 7 da tarde.

Não faltem. É isso que vos peço. O futuro do País justifica que todos vão votar, mesmo que o tempo não ajude.

A este propósito, é devida uma palavra de reconhecimento àqueles que dedicarão todo o dia de amanhã a estar presentes nas mesas de voto, acompanhando o processo eleitoral para garantir a sua legalidade e a sua transparência.

Aos demais Portugueses exige-se apenas o simples gesto de se deslocarem ao local de voto e aí exercer um direito fundamental.

Apelo pois, a todos os Portugueses, para que amanhã exerçam o seu direito de voto.

Boa noite.

© Presidência da República Portuguesa - ARQUIVO - Aníbal Cavaco Silva - 2006-2016

Acedeu ao arquivo da Página Oficial da Presidência da República entre 9 de março de 2006 e 9 de março de 2016.

Os conteúdos aqui disponíveis foram colocados na página durante aquele período de 10 anos, correspondente aos dois mandatos do Presidente da República Aníbal Cavaco Silva.