Bem-vindo à página ARQUIVO 2006-2016 da Presidência da República Portuguesa

Nota à navegação com tecnologias de apoio

Nesta página encontra 2 elementos auxiliares de navegação: motor de busca (tecla de atalho 1) | Saltar para o conteúdo (tecla de atalho 2)
Visita às salinas
Visita às salinas
Rio Maior, 3 de fevereiro de 2016 ler mais: Visita às salinas

INTERVENÇÕES

Clique aqui para diminuir o tamanho do texto| Clique aqui para aumentar o tamanho do texto
Declaração do Presidente da República por ocasião da Ratificação do Tratado de Lisboa
Palácio de Belém, 9 de Maio de 2008

Acabo de proceder à ratificação do Tratado de Lisboa.

Faço-o no dia da Europa, um dia para lembrar quanto os europeus devem ao projecto de construção europeia, em termos de paz e de progresso económico e social.

O Tratado assinado em Lisboa, sob presidência portuguesa, representa um passo em frente na construção de uma Europa mais unida e solidária.

O Tratado consagra os valores da dignidade humana, liberdade, democracia, Estado de direito, igualdade, direitos do homem.

Reforça a democraticidade e a transparência das instituições da União Europeia.

Aprofunda as novas políticas, nomeadamente nos domínios da energia, do ambiente, da política externa, da segurança e da defesa.

Estabelece a Carta dos Direitos Fundamentais.

Projecta a Europa no mundo.

Agora há que preparar a boa aplicação do Tratado, tornando a União Europeia mais eficaz.

Desde logo para responder aos desafios do nosso tempo, em particular aos problemas que os cidadãos enfrentam, como o desemprego, a insegurança, as alterações climáticas, a exclusão social.

Mas também para reforçar a influência da Europa no mundo global.

As actuais dificuldades económicas e sociais e a crise dos mercados financeiros exigem mais integração europeia.

O Tratado de Lisboa é uma grande oportunidade e um grande desafio à vontade política dos líderes europeus.

O seu sucesso exige determinação política e convergência de esforços entre os líderes dos Estados membros e das instituições europeias.

É também um desafio para Portugal que deve preparar-se para tirar o melhor partido do Tratado, adaptando-se a uma nova arquitectura institucional de forma eficiente, para garantir influência efectiva no processo de decisão comunitária, para poder defender eficazmente os interesses do nosso país.

O sucesso do projecto europeu faz parte dos interesses fundamentais de Portugal.

A União Europeia é uma âncora estratégica decisiva para garantir um futuro melhor para os portugueses.

Por tudo isto, quis marcar, de forma especial, o acto de ratificação do Tratado de Lisboa.

© Presidência da República Portuguesa - ARQUIVO - Aníbal Cavaco Silva - 2006-2016

Acedeu ao arquivo da Página Oficial da Presidência da República entre 9 de março de 2006 e 9 de março de 2016.

Os conteúdos aqui disponíveis foram colocados na página durante aquele período de 10 anos, correspondente aos dois mandatos do Presidente da República Aníbal Cavaco Silva.